quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Resenha: Obreiros da Vida Eterna

Nenhum comentário

OBREIROS DA VIDA ETERNA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
EMMANUEL

DITADO POR ANDRÉ LUIZ
ISBN: 8573288205
Páginas: 327
Lançamento: 1944
Preço: R$15.00 (Kindle)
Editora: Federação Espírita Brasileira;
Pontuação: ( 2/5 )
"A partir da premissa de que a morte definitiva não existe e de que devemos sempre evoluir, o Espírito André Luiz apresenta o trabalho de amigos espirituais que viajam para auxiliar na transição para o plano superior de Espíritos dedicados ao bem. É nesta nova realidade que os seres desencarnados devem se preparar para voltar à Terra e continuar sua jornada rumo ao crescimento moral. Em 20 capítulos de profundos exemplos de princípios da Doutrina Espírita, Obreiros da vida eterna mostra como são imensas as dimensões vibratórias do Universo e como é essencial o aperfeiçoamento íntimo, o amparo amigo e o verdadeiro serviço para alcançar o equilíbrio pessoal.” 

A leitura desse livro foi praticamente uma via sacra. Comecei em meados de fevereiro e fui terminar só agora em agosto. Esse é o 4° livro da série "A vida no Mundo Espiritual" de André Luiz e, até então, o de leitura mais difícil e o que consegui apreender menos conteúdo.

A história se alonga a respeito de mais estudos observações de André Luiz no mundo espiritual, mas, dessa vez, ele atravessa zonas mais densas (umbralinas) a fim de compreender a respeito das missões de resgate, o fogo purificador e os desencarnes providenciais. Apesar de trazer um conteúdo completo sobre o mundo inferior e a ação dos espíritos, a narrativa é por vezes confusa e apressada. Talvez tenha sido o formato do livro, (cogitei isso) que foi alterado pela FEB na reimpressão, mas a verdade é que avançar mais de duas páginas numa sentada só é algo dolorosamente impossível.

A morte não extingue a colaboração amiga, o amparo mútuo, a intercessão confortadora, ou o serviço evolutivo. As dimensões vibratórias do Universo são infinitas, como infinitos são os mundos que povoam a Imensidade. Ninguém morre. O aperfeiçoamento prossegue em toda parte. A vida renova, purifica e eleva os quadros múltiplos de seus servidores, conduzindo-os, vitoriosa e bela, à União Suprema com a Divindade.

Além de uns insights bem legais, minha parte favorita provavelmente foi quando decidiram ir ao encontro de um antigo amigo (Padre Domênico, eu acho...) de uma casa transitória que estava preso nas zonas umbralinas e precisou de um longo tempo de acordo e discussão até que decidisse se livrar das amarras inferiores que o prendiam àquela dimensão. O trabalho de revisitação do passado, de argumentação da médium e logo do chamamento de sua mãe, formam o retrato perfeito do que é o trabalho com os espíritos ainda perdidos aqui na crosta, que muitas vezes ligam-se a encarnados com vibrações mais baixas.

Vosso coração, padre, é um livro aberto aos nossos olhos. Envolvido nas trevas, injuriais o nome de Deus e sua justiça; no entanto, a viva descrição de vossas reminiscências são bastante expressivas...

Enfim, recomendo a leitura para os mais curiosos com relação ao plano inferior e os processos de desencarne que estão associados com a influenciação de seres inferiores, mas não como leitura deleitosa (como é o caso de Nosso Lar ou mesmo Boa Nova). Começo agora o "Missionários da Luz", número anterior a este na cronologia de André Luiz, mas que já começa beeeem melhor!

domingo, 6 de setembro de 2015

Ensaio Shiro Lolita - Por Alexandre Fidelis

4 comentários
Na semana retrasada o Alexandre Fidelis (que já tirou um zilhão de fotos maravilhosas minhas de cosplay!) me chamou para um ensaio com algo Lolita que eu tivesse por aqui <3

Costurei o vestido na velocidade da luz, aproveitando para testar um molde novo que havia desenhado e algo menos gótico pra minha vida.

O estilo provavelmente se enquadra dentro do que chamam de "shiro" lolita, ou seja, tudo branquinho ainda obedecendo as linhas-guia da moda. Aproveitei para combinar também peças com pérolas (cof cof) como o colar com três dobras e um anel com uma 'solitária'. O acessório da cabeça eu fiz enquanto esperava o vestido secar depois da primeira lavagem, usando flores de tecido "off-white" (odeio essa expressão, uhahauh! pra mim é branco encardido lol), além dos punhos com tira bordada em algodão.

Uma coisa que reparei nesse ensaio, e que costuma me dar uma preguiiiiça, é a quantidade de gente que acha que, por você estar vestida assim - diferentex - você se torna algum tipo de atração pública. Teve senhora me chamando de dentro do carro enquanto eu ia pra igreja: "Ei, vem aqui mais perto pra eu te ver". LOL que coisa de maníaco sequestrador! Ainda achou ruim quando gritei um "Eu não, cê tá doida??". Esse tipo de atitude invasiva é ultra comum! Para não falar dos stalkers que ficam vigiando tirando mil fotos com o celular, achando que não estamos vendo, nos random que ficam chamando pra tirar selfie (Por que raios você quer uma selfie com uma pessoa aleatória na rua?) pra postar sei lá aonde. Tem gente que curte esse tipo de interação, mas eu, particularmente, acho desagradabilíssimo e, se não for uma criança, nego sem remorso. Há uma clara diferença entre as pessoas que estão genuinamente curiosas sobre o que está acontecendo (e têm interesse em entender melhor e talz) para as pessoas que estão dispostas a te tratar como atração.

Mas o post é pra foto, não pra reflexão, então vamos logo com isso. auhauheuhaeh

Estou com a cara engraçada em boa parte das fotos porque ainda não me acostumei com esse bendito aparelho fixo! Eu devia é aproveitar e fazer cosplay de Sorrio Metálico logo. ¬¬  Você pode clicar nas fotos para ver maior pela galeria automática do Blogger.

Semana que vem eu mostro o passo a passo para a roupa e essas peças, mas o resultado (e as fotos incríveis <3) você confere agora: uhuul!